You are currently viewing Após pressão da categoria, Câmara aprova  urgência para PL do piso da Enfermagem

Após pressão da categoria, Câmara aprova  urgência para PL do piso da Enfermagem

Mérito do projeto deve ser votado em até cinco semanas, prazo que o deputaqdo Alexandre Padilha acha longo. A proposta ficou 7 meses parada no Senado e está na Câmara desde novembro

Após muita mobilização e pressão da categoria, o Projeto de Lei (PL) nº 2564/2020, conhecido como PL da Enfermagem, que foi aprovado em novembro do ano passado no Senado, depois de sete meses praticamente engavetado pelo presidente da Casa, Rodrigo Pachecho (PSD-MG), começa a tramitar de fato na Câmara dos Deputados.

Encaminhado à Câmara após aprovação no Senado, o PL da Enfermagem estava parado até esta nesta terça-feria (22), quando, por 458 votos a 10, foi aprovado  o requerimento de urgência para a votação da proposta que estabelece piso salarial para enfermeiros, técnicos de enfermagem, parteiras. (Confira abaixo valores aprovados no Senado).

Mais uma vez, a proposta começou a tramitar depois de muita mobilização da categoria – nas ruas, nas redes e nos corredores da Casa – para que os deputados aprovem logo a proposta, de autoria do senador Fabiano Contarato (PT-ES).

“Em poucos momentos na Câmara vimos uma mobilização tão forte como a que vimos feita pela enfermagem”, confirmou o deputado Célio Studart (PSD-CE) .

Os partidos firmaram o compromisso de votar a urgência para ampliar o debate em torno do tema junto aos governadores e prefeitos, que alegam o alto impacto orçamentário da proposta para evitar a aprovação. E o mérito do projeto deve ser votado em em até cinco semanas, segundo a coordenadora do grupo de trabalho que analisou o impacto orçamentário da proposta, a deputada Carmen Zanotto (Cidadania-SC).

“Nesse período de até 5 semanas nós vamos buscar outras fontes de financiamento, e deliberar os projetos que já estão aqui na Casa que apontam formas de financiamento ou de busca de recursos financeiros para fazer frente a essa demanda”, afirmou.

O deputado Alexandre Padilha (PT-SP), relator do grupo de trabalho, defendeu que a proposta seja votada antes do prazo de cinco semanas. “Quem está precisando do Samu não pode esperar cinco semanas; quem está no pronto-socorro não pode esperar cinco semanas; quem está na sala de vacinação para receber a dose da vacina contra Covid não tem que esperar cinco semanas; então o piso nacional da enfermagem não é para esperar cinco semanas”, disse.

Padilha afirmou que o grupo de trabalho provou por “A mais B” que o impacto financeiro do piso nacional de enfermagem é menor do que 4% de todo o investimento do SUS e menor do que 5% de todo o faturamento dos planos de saúde.

O que foi aprovado no Senado

O piso salarial da enfermagem foi estabelecido no Senado em um mínimo inicial no valor de R$ 4.750, a ser pago nacionalmente por serviços de saúde públicos e privados, seja da rede pública ou privada, seja das Santas Casas, para uma jornada de trabalho de 30 horas semanais.

Já no caso da remuneração mínima dos demais profissionais, o projeto fixa 70% do piso nacional dos enfermeiros para os técnicos de enfermagem, o que equivale a R$ 3.325; e 50% do piso nacional dos enfermeiros para os auxiliares de enfermagem e as parteiras, o que equivale a R$ 2.375.

O texto estabelece que a correção anual será feita pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Quem é contra

O partido Novo é contra a votação da proposta. O líder do partido, Tiago Mitraud (Novo-MG), afirmou que haverá aumento de impostos para custear o salário mínimo da categoria. “Não é possível estimular cada vez mais o aumento de impostos, esse Plenário não pode tomar aqui hoje uma medida meramente eleitoreira querendo sinalizar algo para um importante eleitorado”, disse. 

Deixe um comentário